terça-feira, 17 de outubro de 2017

Filosofia da prosperidade I


Filosofia da prosperidade I


Em uma galáxia distante existe um planeta chamado Utopia. Todos os habitantes deste planeta são prósperos e isso é um estudo de caso muito interessante. Devemos analisar como conseguiram isso para que o resto do Universo possa beneficiar-se desta prosperidade.


A primeira coisa que eles resolveram foi aquela situação onde um contratador de funcionários contratava pessoas as 9 horas da manhã, depois ao meio-dia, depois as 15 horas e depois as 17 horas. Quando chegava no fim do expediente as 18 horas ele pagava o mesmo valor para todos. Isso sempre intrigou todos os habitantes deste planeta. A pergunta que faziam era: “como isso pode funcionar? ”.


Foi então que o contratador explicou que se os funcionários não tivessem renda a economia não poderia crescer. Como os funcionários da montadora de carros poderiam comprar os carros que fabricavam se não ganhassem para compra-los? Se todos fizessem a mesma coisa quem compraria os carros? Então não haveria sentido em produzi-los e todos seriam demitidos! É lógico! Se ninguém compra os carros como manter esses empregos! Uma coisa está ligada na outra evidentemente. Essa foi uma grande descoberta no planeta Utopia. Desta forma entenderam que o contratador estava ativando toda a economia do planeta. Isso aumentou a produtividade de todos e a produção em consequência. Essa atitude propiciou que todos tivessem os meios para se desenvolverem.


Outra coisa que fizeram foi eliminar tudo que impedisse o progresso pessoal de todas as pessoas do planeta. Todas as pessoas poderiam crescer o quanto quisessem sem limite de crescimento. Todo o potencial deveria ser aproveitado. Isso provou ser uma das coisas mais inteligentes que já fizeram. Nenhum entrave para o máximo de crescimento possível. Todos os contratadores poderiam fazer seus negócios crescerem sem limite. Entender isso levou um tempo, pois as formas de impedir o crescimento são variadas e muito sutis.


Um conhecimento que foi muito importante para o crescimento de todos foi o entendimento do que é custo. Tudo que é produzido tem um custo. Vejamos um exemplo: uma pessoa ganha uma terra para desenvolver. Para plantar algo tem de comprar as sementes, os fertilizantes, o maquinário, contratar os funcionários, fazer a colheita e transporta-la, preparar a terra para a nova safra e assim por diante. Todas essas atividades tem um custo. A soma de todos estes custos dá o custo total de operação da propriedade. Dividido o custo total pelas toneladas produzidas teremos o custo por tonelada. Desta forma saberemos por quanto temos de vender o produto para termos lucro e possamos reinvestir o lucro na próxima safra, desta forma aumentando a produção, a produtividade, baixando os custos e os preços e assim por diante. Sem a receita ou lucro é impossível produzir qualquer coisa. Não há mágica nesta equação. Tudo tem uma relação custo/benefício. Sem receita não pode haver despesa. E sem despesa não há produção de nada. Isso vale para qualquer produto ou serviço. Se isso não é entendido haverá o empobrecimento geral de todos. É impossível produzir sem que a receita supere a despesa. Quando a despesa é maior que a receita as dívidas são feitas e o resultado é a falência do empreendimento. Quando isso foi entendido o progresso de todos os habitantes foi imenso.


Hélio Couto
Projeto Negociação Humanizada
Aulas e Postagens no site: www.negociacaohumanizada.com.br/







Nenhum comentário:

Postar um comentário


Videos editados I


Ninguém está autorizado a editar meus vídeos e fazer montagens, cortes, adições ou qualquer outra manipulação com as imagens das palestras.

Somente com autorização por escrito alguém pode usar minhas imagens.

Isso já foi dito na palestra passada e já postei sobre isso.

Quem está fazendo isso está prejudicando o trabalho.

Existe uma estratégia de divulgação feita por mim e que está sendo seguida à risca.

Todos os vídeos editados por outras pessoas devem ser tirados de qualquer mídia em que estiverem.

Postagens populares

Marcadores