sexta-feira, 16 de novembro de 2018

O Poder de soltar II





O Poder de soltar II

A Teoria do Caos é o fundamento científico do budismo e do taoísmo. O Caos governa o universo e faz todos os ajustes necessários para que o equilíbrio permaneça. O Caos faz com que o fluxo seja contínuo às vezes e turbulento outras vezes. O Caos implica tanto no nível micro quanto no macro. O desapego não é uma coisa metafísica. Faz parte da essência do funcionamento do universo. Da mesma forma que não podemos forçar o clima que queremos, também não podemos forçar que um negócio dê certo. Existe uma ordem natural nas coisas. Este é o fluxo que faz as galáxias nascerem e prosperarem. Como também qualquer negócio ou necessidade humana. Se fizermos o que é preciso e deixarmos as coisas acontecerem naturalmente tudo correrá bem. 

Quando forçamos as coisas para acontecerem no tempo que o ego quer o problema é criado. Raramente o ego respeitará o fluxo universal. Quando a Iluminação acontece o ego passa a servir o universo e é neste caso que o ego não atrapalha o andamento. A questão aqui é que o tempo do universo não é o tempo humano. Às vezes pode levar anos até o resultado aparecer e isso acontecerá quando não se puser pressão. Como também pode ser no dia seguinte. O parâmetro sempre é não pressionar, não ter ansiedade, não forçar, etc. Acontecerá na hora certa. Isso é sabedoria milenar e toda pessoa que fizer a mesma experiência terá o mesmo resultado. Por isso falam que não dá para ensinar, é preciso vivenciar. Só se pode ensinar a técnica que é soltar.

A modelagem climática é feita com fórmulas matemáticas. Essas fórmulas precisam ser iteradas num computador veloz. O resultado da fórmula entra novamente na fórmula e sucessivamente isso é feito até que o resultado final aparece. O modelo está pronto e é compatível com a realidade observada. Não adianta fazer a computação com menos iterações. É preciso esperar até estar completa. É a mesma coisa com relação à Iluminação espiritual. Entra luz e a pessoa muda um pouco. Entra luz novamente e muda mais um pouco. Novamente isso é feito. Cada vez que entra luz a pessoa já está diferente pela luz que entrou na vez passada. É um efeito cumulativo. E é por isso que funciona. Nunca acontece na primeira vez. É preciso estar preparado para que possa acontecer. No Zen dizem que o mestre bate no discípulo e este se ilumina na hora. A explicação é que o discípulo já estava pronto e só faltava a última informação entrar. É exatamente isso que é o Caos.

O Colapso da função de onda é feito dentro do Caos. Uma única vez fazemos o colapso (a escolha de algo) e então deixamos o tempo passar. Soltamos o resultado. Continuamos trabalhando e estudando até que o resultado apareça, mas sem ansiedade e nem forçar. 

Quando se fala que o trabalho criativo é 10% inspiração e 90% transpiração é a mesma coisa que se está falando. Estuda-se o assunto para colocar o máximo de informação no subconsciente e depois deixamos a incubação ser concluída. Então acontecerá o insight a qualquer momento em que não se esteja ansioso.

O Caos não é falta de ordem e organização. É justamente a organização do universo. É o que mantém tudo funcionando. É a ordem subjacente que não vemos, mas podemos perceber intuitivamente. Tudo no universo está conectado com tudo o mais. As coisas aparentemente caóticas não são assim. Mesmo quando se lança dados num jogo é o Caos que está administrando o jogo. Acontece que o Caos é capaz de administrar qualquer resultado que aconteça. São as infinitas possibilidades. E isso é a beleza e elegância do jogo. Sempre é surpreendente. Essa falta de previsibilidade é que provoca a mudança contínua que é a essência do Caos. A mudança tem de acontecer para que novas informações possam ser adquiridas. Por isso um budista muda a pedra de posição quando passa por ela. Para a pedra foi um efeito caótico que não poderia ser previsto por ela. E assim a pedra ganha novas informações no seu caminho eterno de iluminação.

Quando entendemos isso a visão de mundo muda radicalmente e olhamos o universo de outra forma. Não há mais necessidade de por pressão para conseguir o que se pretende. Há uma ordem e se aquilo for benéfico acontecerá. Neste ponto é preciso entender que o jogo só termina quando acaba. Pondo pressão podemos conseguir algo por algum tempo, mas isso mudará inevitavelmente por causa do Caos, que restabelecerá o equilíbrio. Portanto, forçar não funciona. A história está cheia de exemplos deste tipo de ação que força as coisas contra o fluxo natural. E sempre o rio volta para o mar.

O importante aqui é que seguir o fluxo é o maior poder que existe. Não existe nada mais poderoso do que soltar. Só que é um paradoxo e o ego não consegue entender a lógica disso. Então racionaliza para forçar o acontecimento. Aprender a trabalhar com o Caos provê uma total libertação do paradigma vigente. Isso chama-se transcendência. E a característica disso é a evolução contínua, o crescimento sem parar, a mudança para melhor, a abertura para o novo, a aceitação da realidade, é estar em fluxo com o universo. E o sentimento de fluxo é o maior prazer que pode existir. Quando o foco está 100% no momento presente o fluxo é total e somos inundados pelos neurotransmissores que nos dão a alegria de viver em fluxo. Mais uma vez, só experimentando para saber o que é isso. Quando sentimos um prazer estético como Stendhal sentiu ao visitar Florença, o prazer máximo de contemplar obras de arte sem parar. Essa contemplação da beleza é o Zen. O soltar também dá este sentimento de fluxo cósmico, de unidade com a criação, de ser uno com o universo.

Isto deveria ser o objetivo da vida de todo ser. Conseguir este espírito contemplativo extático. No dia a dia. Trabalhando e sentindo isso. Estudando e sentindo isso. O tempo todo. Todo ser que estiver focado 100% num objetivo sentirá isso. Para sentir isso a pessoa precisa abandonar o sentimento de controle. O universo é pura incerteza em termos pessoais. Viver na incerteza é inevitável. Mas, podemos focar 100% mesmo na incerteza. Podemos colapsar a onda mesmo na incerteza. Desta incerteza é que nasce o Cisne Negro. Os eventos de criatividade absoluta. Essa criatividade é parte da essência do universo. E ela flui por nós sem cessar. Basta aquietar a mente para percebe-la. O bater das asas da borboleta é criativo porque é extremamente sutil. Parece não influenciar nada, mas este bater das asas provoca um feedback positivo que é realimentado sem cessar. É a iteração da fórmula com o bater das asas, sendo que a informação entra na fórmula vezes sem conta. A exponenciação disso gera a tempestade. E a simples borboleta está apenas focada em voar, mas as consequências do seu voo são inimagináveis.

Hélio Couto
www.opoderdesoltar.com.br

segunda-feira, 12 de novembro de 2018

Alegria e Dinheiro



Alegria e Dinheiro 
(Texto de 2012)

Sempre escuto que as pessoas não conseguem aplicar a mecânica quântica na vida prática. Por isso decidi postar artigos sobre como usar na prática os conhecimentos adquiridos pela física no século XX.


É preciso entender primeiramente uma coisa. Existem aqueles que não entendem e estão sinceramente tentando entender. E existem aqueles que não aceitam as descobertas da física. Para estes não há remédio no momento. Só o tempo resolverá isso. Como disse um físico: “a física avança funeral após funeral”. Porque os que já estão instalados não querem mudar nada. Amit Goswami também fala disto no seu último livro. É muito difícil fazer alguém entender alguma coisa, desde que o salário dela depende de não entender o assunto. Traduzindo: quando seu salário depende de continuar na física clássica, você fará de tudo para não entender.


Um garoto de 9 anos de idade após ouvir uma aula sobre mecânica quântica disse: “o átomo é vivo”. Os de 15 anos não aceitam as descobertas.


Portanto, a resistência em entender é uma questão de paradigma. Não de ciência. É: não aceito como o universo é. Uma atitude emocional de rejeição. Um ego gigantesco.


Depois de mais de 50 palestras no mesmo local, 26 DVDs e 3 livros até agora (TEXTO DE 2012), explicando detalhadamente todas as variáveis de como obter o sucesso em tudo que se quiser, o que falta? Sobra o não aceito. Simplesmente. 


No caso da alegria, que é um aspecto fundamental do universo, isso fica mais do que patente. Porque se coloca o foco nos aspectos negativos da existência? Porque se fala de problemas? Porque se discute? Porque se escolhe a pior opção em termos de felicidade pessoal? Porque se escolhe o pior emprego? Porque se escolhe o pior relacionamento? Porque se sabota a saúde de todas as formas? Porque se perde dinheiro em todas as formas de sabotagem possíveis? Porque se apegam a tabus e preconceitos que só geram infelicidade? Tudo isso impede a alegria e com isso impede toda a possibilidade de crescimento e evolução.


Uma cliente disse que o Hélio “pegou pesado na palestra”. O que ela quer? Que “passe a mão na cabeça”? O trabalho do Hélio é promover o crescimento de todos. Somente a verdade faz com haja evolução. Atentem para a preguiça e a zona de conforto. É nisso que está uma grande parte do problema. Resistir ao crescimento só trará problemas mais cedo ou mais tarde. E isso significa perder dinheiro também.


Vamos ao tema de hoje.


Alguns anos atrás fiz um trabalho numa agência de um banco em Santos. Aplicando a Ressonância na maioria dos funcionários e na própria agência. Em dois meses houve um aumento de 140% no resultado da agência.


Hoje em dia fala-se muito sobre a importância da alegria para se ter os resultados que se quer. Principalmente em termos de prosperidade econômica.


A alegria que gera dinheiro e prosperidade é aquela da nossa mais profunda essência. Uma alegria visceral, que vem do mais fundo de nós.


Quando temos essa alegria?


Quando fazemos o que nos realiza. Quando temos um perfeito equilíbrio bioquímico entre neurotransmissores e hormônios. É perfeitamente possível alcançar isso. Pode parecer utópico, mas não é. Claro que se a pessoa está a muitos anos na tristeza ou desespero silencioso, levará um tempo para reverter isso. Pouco tempo se a pessoa se dispuser a dar uma chance para a sua própria felicidade. E isso dá muito resultado em termos de dinheiro.


Um sentimento de poder total, autoconfiança total, de fazer o que se gosta, de fazer o que nasceu para fazer, de autocontrole total, de entender como funciona a vida “como ela é”. Como dizia Joseph Campbell.


Dinheiro é pura conseqüência desta alegria. Impossível não ter o dinheiro que se precisa quando se tem a alegria mais profunda. A alegria de estar em fluxo com a Vida. Celebrando a Vida em todos os momentos.


Um cliente que mora no exterior comentou comigo estes dias, que foi promovido a gerente de uma filial da seguradora onde trabalho. É um bom desafio. O que ele disse: “Será um grande aprendizado de qualquer forma”. Essa é a atitude do vencedor. Ele tem 24 anos. Este é aquele corretor do qual a cliente disse para um gerente de banco, que falou que se ela não fizesse seguro na agência pagaria mais juro no financiamento da casa. Ela respondeu: “Não importa, quero fazer seguro com ele”. Imaginem o atendimento que ele dá! Como se pode dar um atendimento que gera essa atitude de uma cliente? Com alegria. Dando o melhor de si para o melhor negócio para o cliente.


Essa alegria nasce de um alinhamento com a Força; para usar um termo criado por George Lucas. Parece abstrato? Dizem que o átomo é abstrato! Viram o que dá para fazer com essa abstração no dia 6 de agosto de 1945?


A mesma coisa com o dinheiro. Aumentam o seu faturamento, seus recursos, seus clientes, seus negócios, sem parar. E isso é uma coisa que se pode reproduzir sempre que se quer. Não é sorte nem azar. É o que se chama um protocolo. Sempre dá resultado. 


A meditação também leva a este estado com a devida aplicação.


É possível mudar a vida para se chegar a esse estado? Claro que é. Todos podem conseguir. Para que todos possam chegar nessa alegria o mais depressa possível é que apareceu a Ressonância. Tudo pode ser acelerado, exponenciando sem cessar.


Esse sentimento de fluxo está ao nosso alcance o tempo todo. Pode ser sua natureza se quiser. Aquele sentimento de fundo que os psicólogos falam. O sentimento que permeia todo o seu ser. Desta forma a energia passa por você (por dentro) e cria tudo que se pensa, sente e deseja.


Quando se dá o tempo necessário para a transformação energética que a Ressonância produz, esse resultado é inevitável. Certeza absoluta. Este é o caminho que trilhei. É vivencial. É verdade. Eu vivo isto o tempo todo. Você também pode. 


O Observador
Canalizado por Hélio Couto
Texto de 2012

domingo, 4 de novembro de 2018

Matrix III





Matrix III



Quando vemos os casulos da Matrix, onde os humanos dormem, enxergamos a Matrix real. Toda a vida mental destes humanos é uma ilusão. Um mundo de Maya. Mas, é uma ilusão muito persistente, porque é baseada nos cinco sentidos. A percepção sensorial dá a ideia de realidade, mas é uma realidade apenas para os cinco sentidos. Animais que tem outros sentidos mais apurados percebem a realidade completamente diferente. A realidade que os humanos percebem é moldada pelos parâmetros dos seus sentidos. Quantos hertz escutam e assim por diante.

Muitos filósofos e videntes disseram que existe um outro mundo que antecede a este ou que está além deste ou que interpenetra este. Já que tudo são ondas e frequências. Toda a realidade última é pura onda e pura frequência. Nossos sentidos traduzem em algo material ou sólido, mas nada em última instância é sólido nem material. O Bóson de Higgs é que dá massa a este universo. E o Bóson também ele é um campo. É esta interação de dois campos que dá massa ou permite que seja percebido como material. Portanto, a realidade última não é esta realidade sensorial. Este é o mundo dos sentidos. Neste ponto sempre é bom lembrar que a consciência cria a realidade. A consciência projeta uma realidade de acordo com o que tem dentro dela ou como ela é naquele momento. O que é a consciência é a realidade. Sem tirar nem por. E todos os demais fazem o mesmo. O consenso coletivo em alguns parâmetros é que permite coletivamente viver uma determinada Matrix. Quando alguém não concorda com o consenso é considerado louco e retirado da Matrix. A Matrix só pode funcionar se a maioria concorda que seja assim.

Existem duas possibilidades para tentar entender como a Matrix funciona e foi criada. Alguma entidade externa fez isso ou nós mesmos fizemos isso. São duas visões de mundo completamente distintas. Uma força externa, seja qual for no nome que se quiser dar, ou a consciência dos humanos criou e possibilita a Matrix. E aqui entra a questão da Consciência. Isso está subentendido no filme. Nós criamos a nossa realidade. Essa é uma verdade clara. Causa e efeito. Nós plantamos e nós colhemos. Isso é evidente por si mesmo. A dificuldade de mudar as crenças de alguma pessoa prova isso. Somente quando um evento externo traumático (morte, dor, doença, desemprego, miséria) acontece é que a pessoa começa a rever suas crenças. E muitas vezes nem assim. O paradigma, o sistema de crenças, é tão forte que aparentemente nada consegue ultrapassar essa barreira. E acreditamos piamente que o mundo que criamos é real. A questão das dívidas mostra isso claramente. A perda de liberdade pessoal é uma consequência inevitável da criação da realidade pela consciência acreditando em coisas que não são reais.

Existem duas possibilidades de mundos: um mundo de dor e sofrimento (normalmente o escolhido) e o mundo em que todos são felizes e realizados. O mundo da dor é o mundo da separação, da competição, do mais forte, mais apto, mais inteligente, o mundo dos Ferengis ou Cardassianos ou Romulanos (infinitas possibilidades de tirania). E o mundo da Federação onde há colaboração, cooperação, onde não há mais fome, nem doença, nem guerra na Terra. O mundo de John Nash. Sempre que se dá essa opção coletivamente a escolha até o momento foi pelo mundo da dor. Um mundo sem dor ainda parece uma utopia, uma ilusão, uma coisa de lunáticos e pessoas fora da realidade. Foi essa escolha que possibilitou a Segunda Matrix. A Primeira Matrix era um mundo perfeito e foi rejeitado pela consciência dos humanos encapsulados na colmeia. O senhor Smith explica isso claramente. A Segunda Matrix foi a escolhida pelos próprios humanos.

A Segunda Matrix é a escolha do ego. Quando o ego domina é inevitável que seja assim. Um mundo de separação. Morpheus entende isso claramente e luta para acordar os humanos aprisionados na Matrix. Por isso ele convida Neo para ver o Deserto do Real. 

No Astral essa realidade é mais clara ainda do que nesta dimensão. No Astral tem-se a impressão de que aqui é a Matrix e lá se está fora da Matrix. Se isso fosse verdade os negativos não poderiam existir no Astral. O Astral também faz parte da Matrix. Na verdade, existe uma Matrix dentro de outra. E isso só para citar duas dimensões. Os seres que negam a Realidade Última têm o mesmo tipo de pensamento que sustenta a Matrix em qualquer dimensão. O poder do ego de negar a realidade. O poder da consciência de criar a própria realidade. Eles fazem isso criando sua própria sociedade de poder, suas cidades, suas leis, etc. Literalmente eles continuam dentro da Matrix. E os que estão fora desta Matrix negativa também podem ter uma ilusão persistente de estarem fora da Matrix. Mas, se consultarem o próprio ego verão que ainda restam resquícios de uma Matrix. Pode ser uma Matrix muito etérea, mas é real. Ainda não é um mundo de felicidade para todos. E o mundo de felicidade para todos é que é realmente o mundo fora da Matrix. Este é o único mundo em que não existe a Matrix.

Para se libertar da Matrix existem duas possibilidades. Uma força externa ou interna. Desde sempre é esperada uma força externa. É muito mais simples assim. A força interna sempre é rejeitada. A questão é que somente com a força interna é possível sair completamente da Matrix e viver no mundo sem Matrix. Um mundo de felicidade para todos só é possível se todos usam a sua força interna. A Matrix só existe porque há uma dependência de uma força externa. Quando essa busca termina a Matrix acaba. É nesse ponto que soltar é fundamental. A única forma é soltar a Matrix e buscar a força interna. É o trabalho da Iluminação Espiritual. A Iluminação de dentro. Cada um conseguindo a própria Iluminação. Isso só é possível porque existe um fundamento único para a realidade. Este fundamento único é a substância real de tudo. Todas as Matrix são criadas em cima deste fundamento único e é por isso que é possível sair da Matrix. Porque fora dela existe esse fundamento único. O programa da Matrix só roda porque é possível rodar em alguma coisa externa à Matrix. Um mundo onde os computadores da Matrix estão instalados. O Deserto do Real tem de estar subsistindo em algo. Tem de estar sobre um substrato mais real que o Deserto do Real.

Essa opção pela Iluminação pessoal é a única opção real que existe para sair da Matrix. Neo fez essa escolha quando tomou a pílula vermelha. A decisão de tomar foi fundamental. Se ele fosse obrigado a tomar não funcionaria. Ninguém pode ser obrigado a sair da Matrix. Na prática voltaria quase que imediatamente para a Matrix. Cypher fez isso (vamos falar bastante dele). A interpretação que Cypher faz de que o mundo da Matrix é mais real do que o mundo fora dela, mostra que ele ainda está dentro da Matrix. Mesmo estando na Nabucodonosor. E ele faz escolhas para a próxima vida dentro da Matrix, para continuar usufruindo da Matrix.

Quando Neo compreende como funciona a Matrix é que passa a ter os superpoderes para enfrentar o senhor Smith. Nesse ponto ele não pensa mais, ele é.

Hélio Couto


sábado, 3 de novembro de 2018

Resistência ao crescimento XIV


Resistência ao crescimento XIV


‘Alea jacta est’


Caio Júlio César gritou antes de atravessar o rio Rubicão: Alea jacta est. (A sorte está lançada).

Isto é o que acontece quando fazemos dívidas. Não há retorno. É preciso pensar muito bem antes de fazer dívidas. É o caminho certo para ter problemas na vida.

Quando uma pessoa está imersa na Matrix ela está “dormindo”. Não enxerga a realidade nua e crua. Vê um mundo que não existe e acredita que ele é real. E agir sem base na realidade só traz problemas. Enxergar a realidade é expandir a consciência. Até um segundo atrás a pessoa achava uma coisa e no segundo seguinte ela acha outra. A consciência ganhou em complexidade. Isso é o que queremos dizer quando expandiu a consciência. A pessoa consegue fazer análises mais complexas da realidade. Consegue analisar mais variáveis. O que antes era preto ou branco passa a ter 16 milhões de cores (que é o que espectro de cores. É quando compreende que o gato está morto, está vivo, está morto e vivo, e nem morto nem vivo. Tudo isso ao mesmo tempo.


Nesse ponto as leis econômicas são claras e a pessoa consegue tomar decisões acertadas nos negócios e em tudo o mais na vida. Isso é o que se chama Iluminação Espiritual. Quando o véu da realidade é rasgado e vemos tudo claramente. Sem disfarces nem ilusões. Sem esperanças infundadas fruto das racionalizações do ego. Do tipo: “agora vai”, “tem de dar certo”, “depois do carnaval vai”, etc. No mundo dos negócios como na guerra não há lugar para “esperança”. Ou se enxerga claramente o campo de batalha e todas as variáveis da batalha ou a derrota é certa. O mesmo acontece nos negócios. E nas negociações também. Nunca se deve colocar o outro numa situação sem saída. É preciso sempre ver os dois lados da questão (no mínimo) e procurar o resultado melhor para todos. Entender exatamente o Dilema do Prisioneiro é fundamental e entender que quando um ganha e outro perde todos perdem. Quando isso é entendido todos os negócios frutificam para todos.


Hélio Couto





Matrix XIV



Matrix XIV

Livre arbítrio II

Pré-conhecimento universal é o conhecimento dos futuros prováveis. Não existe um único futuro definido. Tudo está em aberto dependendo da ação das pessoas. Uma coisa que parece definida pode mudar em razão da mudança de visão de mundo, de mudar a atitude, de mudar as crenças, etc. Infinitas variáveis. O pensamento de cada um influencia o futuro. A mente coletiva cria uma realidade para ela. E cada um cria uma realidade para si. Tudo isso está integrado numa única visão do Observador.

Portanto, o Oráculo está certo e Trinity também. No momento Neo não sabe que é o escolhido, mas depois de ressuscitado ele é. O futuro mudou com a morte de Neo e sua ressurreição.

Um evento previsto não tem de acontecer. Pode ser mudado com a mudança dos pensamentos de algumas pessoas ou até de uma única pessoa. O fato de alguém ter uma premonição não significa que vá acontecer. É apenas uma coisa provável. A liberdade de decidir continua existindo. 

Essa é a questão de jogar dados da Mecânica Quântica. E a beleza da vida. Nada está definido. Tudo está em andamento. O jogo segue sem cessar. Futuros prováveis se diversificam, ondas de possibilidades colidem e se transformam em ondas de probabilidades, colapsos de onda criam uma realidade, o observador e o Observador colapsam simultaneamente.

Não existe predestinação. Todos evoluem pelos caminhos que escolhem e podem mudar a qualquer momento. Basta uma decisão. Uma intenção. Uma opção. Sempre existe a possibilidade de começar de novo. E de novo. Ad infinituum. O Amor é eterno. Sempre está pronto a aceitar o recomeço. Sempre acolhe. Nada está determinado. Nós controlamos nossa vida com nossos pensamentos e atos. Todos podem ser felizes. As portas estão sempre abertas. 

Pode-se fazer tudo que é possível. E aqui entra o bom senso para discernir o que é possível. As infinitas possibilidades são possíveis dentro das possibilidades. Atentar para isso. Não é uma coisa de infinitas impossibilidades. É o contrário. São as infinitas possibilidades que são possíveis. Cada um deve discernir por si próprio. Portanto, não se deve querer o impossível. 

A causação descendente implica que o futuro afeta o presente. Esta é a melhor forma de planejar algo. Projete o que quer para daqui a 20 anos e traga esse planejamento para o dia presente. Comece a atuar em função deste planejamento. Nesse momento o futuro já afetou o seu presente.

Portanto, a onisciência é a capacidade de propiciar as infinitas possibilidades e deixar que os atores atuem.

Hélio Couto

quarta-feira, 24 de outubro de 2018

Amor Incondicional

Amor Incondicional

Amor incondicional não é para ser entendido, é para ser sentido.

A única forma de sair da Matrix e de resolver a Matrix é pelo Amor Incondicional.

Quando se começa a ter um vislumbre do sentimento do amor incondicional, os primeiros tijolos (do enorme edifício da Matrix) que se desfazem são os da base, são os do alicerce. Então tudo começa a mudar na vida e daí vem os pensamentos, as análises das consequências, dos cálculos de custo/benefício, tentando entender matematicamente o que está acontecendo e o que fazer. E nesse ponto muitas vezes tudo volta atrás.

Quando num dos filmes Star Trek, perguntam para o Capitão Kirk quanto custou a nave, ele responde: “Temos uma nova economia”. A Federação não é dirigida pela razão somente. É dirigida pela cooperação entre 150 planetas. É o sentimento de amor que conduz todos os capitães. E só chegam a capitão porque sentem amor incondicional. Em muitos episódios existem várias explicações de como funciona a Terra na época da Federação.

Com amor incondicional não há mais crimes, nem pobreza, nem problemas comuns de sobrevivência. Tudo deu um salto de consciência. Tanto que parece um paraíso. E isso aconteceu apenas por cooperarem uns com os outros. O que John Nash provou que é a melhor opção que existe.

Uma pessoa pode já ter entendido o conceito intelectual do Todo, que Ele é tudo o que existe. (ler as postagens que explicam isso). Mas, ainda poderá ficar presa nos conceitos mentais de como pode funcionar na vida prática o amor incondicional. E pode ficar se debatendo com isso por muito tempo, sem ter resultados na vida. Tentando achar explicações lógicas para o que fazer com o amor incondicional.

Vejamos alguns exemplos:

Como pagar um salário que garanta a vida de cada pessoa na face da Terra? Como pagar um salário digno para os seus empregados? Para as empregadas domésticas? Esse tipo de raciocínio é baseado na escassez de recursos. No pensamento de que não ganho para pagar. É um puro raciocínio matemático lógico. Neste raciocínio não entra a visão de mundo do Todo, que cria tudo o que existe. O Todo pode resolver todos os problemas deste planeta. Se os humanos deixarem. Se entregarem os problemas nas mãos Dele. E deixarem que Ele conduza tudo. A prioridade máxima deve ser o Todo. Tudo o mais virá dessa opção. Não existe falta de recursos. A Terra produz para alimentar muito mais pessoas do que existem hoje, mas quando se destrói a produção para manter os preços altos ou rentáveis ou qualquer outra razão, é um pensamento puramente lógico sem amor incondicional. E daí o resultado é o que se vê na Terra.

Quando se pensa apenas em resultados econômicos os problemas aparecerão com certeza. Crises e mais crises sem fim. Bolhas e mais bolhas. Porque não existe cooperação. É o mundo da competição, baseado no pressuposto de que não tem para todos. É o ganha/perde. No amor incondicional só existe ganha/ganha. O produtor ganha, o vendedor ganha, o consumidor ganha, todos ganham. Mas, para isso é preciso pensar no que o outro precisa antes de mais nada. E não no que eu preciso. É preciso inverter a equação. Todos pensando assim tudo muda rápido.

Imagine que você alugou uma sala para atender mensalmente como profissional liberal. Só que você não usa a sala todos os dias do mês. Porque não deixar que outra pessoa use a sala gratuitamente? A sala já está paga, porque não ajudar alguém? Isso não diminuirá em nada seu rendimento e ajudará aos demais.

Quando existe amor incondicional todos os cálculos de custo/benefício desaparecem. E o amor incondicional do Todo resolverá todos os problemas.

Atenção: isto não é magia, nem mágica, nem feitiçaria. O conceito acima só pode ser entendido quando já se entendeu o que é o amor incondicional. Senão parecerá mágica e que todos os problemas desaparecerão por um passe de mágica sem que seja necessária uma total mudança de visão de mundo. Sem sentir amor incondicional os problemas não desaparecerão.

Os problemas materiais são decorrentes da visão materialista da existência. É por isso que vira a luta pela sobrevivência. Sempre que se fala da Lei da Atração existe o risco de se entender que é um passe de mágica e que não é mais necessário estudar e trabalhar. Nada cairá do céu. A Lei da Atração não é isso. É um campo eletromagnético que atrai exatamente o que tem dentro dele. Se tem amor atrairá amor, se tem ódio atrairá ódio, prosperidade atrai prosperidade, dívida atrai dívida, etc. Mudando a forma de sentir a mudança externa acontecerá. O Todo é um sentimento. Sem entrar em fase com Ele não há como ter resultados positivos. E o Todo é Amor. É por isso que só o entendimento intelectual não resolve o problema. A mudança tem de ser para a cooperação. As portas sempre se abrem para quem fez a opção pelo amor incondicional. E isso significa trabalhar mais e estudar mais e ajudar mais.

Primeiro mudamos interiormente e depois a mudança externa acontece. E isso pode levar tempo. Porque a tendência é tentar achar razões lógicas para as mudanças. Sem sentir não há mudança, porque é a energia do sentimento que atrai. O pensamento só dá forma. O que atrai é o sentimento.

Sempre que se fala em amor incondicional é preciso explicar algumas coisas. Isso não é ignorar todos os erros que a pessoa comete. É orientar e ajudar para que mude de atitude. Vejamos um caso: um chefe de campo de concentração ou o diretor de logística dos campos. Quando se vê uma pessoa assim qual é o sentimento que temos? De ódio? De raiva? Qual a vontade? De fazer com ele o que fez com outros? O único sentimento construtivo nesse caso é sentir amor incondicional pelo chefe do campo. Sem ódio, sem raiva, sem vingança, etc. Sabemos que ele terá de compensar o que fez e que isso será um longo tempo de serviços a prestar. (Isso pode ser feito sem sofrimento, mas muitas vezes a própria pessoa se impõe sofrimentos desnecessários por resistir ao amor incondicional). E sentir amor incondicional por essa pessoa não é um ato intelectual, é um sentimento de amor. Existe ou não existe. Sem amor essa pessoa será tratada da mesma forma que tratou os demais e isso não resolverá nada. Só criará mais problemas. Quem sente amor incondicional não tem nenhum problema em sentir amor incondicional pelo chefe do campo. Podemos sentir tristeza pelos sofrimentos que ele causou para si mesmo, mas fazermos o possível para ajudá-lo a superar a forma de visão de mundo que tem e aceitar ajudar aos demais para compensar o que fez.

Então é muito fácil saber se se tem amor incondicional. Basta pegar qualquer caso de criminoso de guerra, serial killer, etc. e analisar o que se sente. Isso não exime o chefe do campo de ter de compensar o que fez. Não é impunidade. Enquanto não se paga o último centavo a dívida não está paga. Se quebrou o vaso chinês ele tem de ser pago. Mas, tudo isso deve ser feito com amor incondicional. Ninguém irá torturar quem quebrou o vaso chinês, nem fica feliz com isso, mas o vaso tem de ser pago. O que podemos fazer é dar as condições para que o vaso possa ser pago. Ajudar a ter condições. Ajudar com a vara e a isca. A pessoa deve pescar por si mesma. Só assim mudara a forma de pensar e nunca mais fará de novo.

Também é sempre preciso alertar para os predadores de todos os tipos. Com amor incondicional os predadores desapareceriam da face da Terra. Por enquanto é preciso muito cuidado. Não confundir amor incondicional com cair nos golpes dos predadores de todas as espécies. Que sempre se colocam como vítimas (essa é a isca) para ser ajudado pelas vítimas. Todo psicopata não tem sentimentos. Só razão. E é por isso que são extremamente perigosos. Nunca subestimar a capacidade de raciocínio lógico de um predador. E está é uma grande questão em aberto. Porque a pessoa para se defender tem de estar alerta. Não pode pensar que está num campo florido onde só tem amor incondicional. O planeta Terra ainda é um Serengeti e lá existem vários tipos de predadores. Ficar alerta é o preço que se tem de pagar para garantir a própria independência e segurança.

O amor incondicional é um sentimento de ser. Quando a pessoa é ela sabe que é. Como disse Morpheus: “Não pense, seja! ”.

Quando se é não é preciso pensar. A ação já é de quem está unificado com o Amor Incondicional. Todo ato é um ato de amor. Mesmo que seja muito difícil enxergar isso ou interpretar desta forma. Para se chegar a ser amor incondicional é preciso tomar a decisão consciente de ser assim. Deixar-se ser transformado sem resistência. Render-se. Entregar-se incondicionalmente. Daí o próprio Amor Incondicional fará tudo mudar e a grande transformação poderá ocorrer. Sem luta, sem esforço, bastando aceitar ser amor incondicional. Com todas as consequências disto. Mas, neste caso quando se chegou ao amor incondicional as consequências são vistas com outros olhos. É por isso que toda análise lógica é falha no caso do amor incondicional. Porque antes da transformação ele é visto como um problema e depois da transformação não há mais problema. É preciso fazer a opção pelo amor incondicional.

Como foi dito a 2 mil anos: “Eis aqui a escrava do Senhor, faça-se em mim segundo a Vossa vontade”.

Hélio Couto

terça-feira, 23 de outubro de 2018

Relacionamentos Afetivos e Zona de Conforto

Relacionamentos Afetivos e Zona de Conforto

Se existe uma área onde a zona de conforto é destrutiva ao máximo é nos relacionamentos afetivos. Como neste caso a dinâmica de crescimento de duas pessoas está envolvida, os dois precisam crescer com a mesma velocidade.

Isso raramente acontece.

As pessoas não percebem onde estão quando se encontram; numa situação em que há o Princípio da Incerteza em ação. Posição e Momentum. 

A Posição mostra como a pessoa está vivendo. Qual sua situação mental, emocional, financeira, profissional, afetiva, etc. Mas, não sabemos qual seu Momentum, sua velocidade de crescimento em todas essas áreas. 

Quando o momentum de um é maior do que o do outro eles podem conviver por algum tempo sem problemas aparentes. Esse tempo é normalmente curto. Hoje em dia em dois ou três meses já se consegue avaliar isso e os relacionamentos acabam. Se dura mais que isso é porque um dos dois resolveu “empurrar com a barriga”. Porém, quanto mais tempo passa, mais distantes ficam um do outro. É que o momentum diferente faz isso inevitavelmente. Pensem em dois ângulos diferentes de crescimento e verão a distância entre os dois depois de um tempo.

No inicio quando se encontram compartilham durante um tempo uma determinada posição. É uma faixa pequena de espaço, que logo desaparece à medida que o momentum de um dos dois se acelera. E isso acontecerá de uma forma ou de outra, a não ser que os dois criem uma hierarquia entrelaçada, onde se estimulam mutuamente à crescerem juntos. E a resposta de ambos é de dar o máximo de si mesmos no seu crescimento pessoal. Assim eles entram no mesmo momentum e isso pode ser perpetuado. 

Caso ambos pensem em “empurrar com a barriga”, a ação dinâmica do Universo fará com que se mexam. É o que se chama Teoria do Caos. Então um dos dois começa a crescer. O universo é um local de crescimento frenético. Ir contra isso é arrumar problema com certeza.

Existe ainda uma outra questão. O Princípio de Equidade. Estudos dos psicólogos americanos constataram isso. Classificando-se os dois numa escala de 1 a 10, não pode haver diferença maior que dois pontos entre ambos. Se isso acontecer o relacionamento é inviável.

Desta forma é preciso verificar que a distância é maior que dois pontos em cada área de vida: mental, emocional, profissional, educação, espiritual, afetiva, etc. Porque na média pode dar dois pontos, mas se existir uma diferença muito grande em alguma das áreas o relacionamento ficará comprometido.

Por que o momentum acaba com os relacionamentos? Por causa da zona de conforto.

O fato das pessoas não darem o melhor de si mesmas em tudo que é preciso fazer, causa essa diferença. Na prática como isso funciona?

É preciso ler livros de várias áreas simultaneamente. Livros difíceis.

Refinar e limpar o emocional sem parar, eliminando os bloqueios, traumas, nós, tabus, preconceitos, auto-sabotagem, paradigma irreal, etc. 

Unindo-se ao Todo cada dia mais. 

Deixando o ego de lado cada dia mais. 

Pensando no bem do outro mais do que no próprio. 

Dando mais do que recebe. 

Crescendo afetiva e sexualmente sem parar. 

E aqui temos um grave problema até hoje não resolvido pela humanidade. Se existe tabu é esse. E por que isso é tabu? Porque é aqui que está a afetividade e o amor. É preciso dar. É preciso baixar os escudos. É preciso ser humano. É preciso pensar no prazer do outro. É preciso fazer com amor e não mecanicamente. É preciso aprofundar o sentimento cada vez mais. A intimidade tem de crescer sem parar. 

O que vemos hoje na humanidade? Uma relação sexual termina quando um dos dois tem um orgasmo! E como são necessários apenas alguns minutos para que isso aconteça vocês já sabem como fica a afetividade. Zero! Essa é a norma. 

Todo terapeuta que escuta a verdade que seus clientes contam constata isso. O resto é a mentira social. Essa é a verdade nua e crua.

E isso contamina todo o resto da vida da pessoa. Pensa-se que as áreas são independentes. Posso viver sexualmente de um jeito e profissionalmente de outro. Na verdade tudo está interligado e quando uma coisa não vai bem ela afetará todo resto. Ou evoluímos como um todo ou temos problemas. 

Vocês podem ver o estado da humanidade hoje e o tabu sexual que existe. É uma coisa só. Toda essa crise em todas as áreas e o problemas afetivo/sexual são uma coisa só. Por isso está tão difícil resolver a crise. Por isso existe tanta resistência em resolver os problemas. Porque nesta área quem quer mexer? 

Enquanto a humanidade não enfrentar isso de frente, soltando todos os tabus e preconceitos não haverá solução, porque não haverá amor real entre os humanos. Fazer amor tem uma função muito maior do que se pensa hoje. As energias envolvidas são sagradas. São divinas. É preciso urgentemente rever esses conceitos. O sexo é sagrado. Tem de ser feito como um ato divino. Entre duas centelhas divinas.

E o que faz uma centelha divina? Ela se doa sem parar.

Hélio Couto
Site Oficial: www.heliocouto.com


Direitos Autorais:
Copyright © Hélio Couto. Todos os direitos reservados.
Você pode copiar e redistribuir este material contanto que não o altere de nenhuma forma, que o conteúdo permaneça completo e inclua esta nota de direito e o link: www.heliocouto.com


sexta-feira, 5 de outubro de 2018

Arquétipos


Dentro da Psiquê Universal vivem os Arquétipos ou as Ideias Primordiais de Platão. São energias vivas, inteligentes e conscientes. Tudo que existe dentro da realidade tem um fundamento arquetípico. Todas as situações são arquetípicas. Como já foi dito: não há nada de novo debaixo do sol. Entender como funcionam os arquétipos é de uma importância extrema, pois é como saber o futuro. Os chamados Cisnes Negros são situações arquetípicas à espera de virem para esta realidade. Se entendermos como os arquétipos são e funcionam poderemos estar preparados para tirar o melhor de cada situação.

Qualquer situação pessoal já foi vivenciada por algum dos arquétipos. Todos nós estamos vivenciando um determinado arquétipo, seja o Herói, o Aventureiro, o Conquistador de Impérios, o Alpinista, o Jogador, o Palhaço, a Professora, a Empresária, a Cientista, os Símbolos, etc. Infinitas possibilidades de expressão da Psiquê Universal.

Todas as situações também são arquetípicas, tais como: competição entre empresários, cooperação entre pessoas, depressão econômica, crescimento econômico, turbulência econômica, desemprego, pleno emprego, invasão por conquistadores imperiais, ser o império que conquista, empresário de sucesso, empresário falido, funcionário de sucesso, funcionário fracassado, etc. Só para citar algumas das infinitas situações por que passam as pessoas. 

Sabendo-se o que está acontecendo é possível corrigir o rumo dos acontecimentos interagindo com o arquétipo em questão. Toda correção de rumo também é arquetípica. Todo problema tem solução, mais cedo ou mais tarde. Peguemos o dia a dia dentro do Império Romano: inflação, carência de mão de obra qualificada, baixo nível de nascimentos, crises internas e externas, ameaças de outros povos, problemas diplomáticos, insatisfação popular, epidemias, problemas políticos, criminalidade, baixa produtividade, etc. Se houvesse um jornal daquela época pareceria que estávamos vivendo no Império Romano. Já foi dito que a história se repete, mas não da mesma forma. Porém, as situações arquetípicas são as mesmas. Mudam os atores e vestimentas, mas a peça é a mesma. É por esta razão que é possível atuar para resolver ou minimizar os danos ou maximizar os lucros. Aqueles problemas do Império Romano onde estão agora? Não existem mais, entraram para a história. Nunca são mencionados. O mesmo acontecerá com as situações de hoje. Entretanto, podemos aprender das situações do passado, pois todas têm um fundo arquetípico. A soma de todas estas vivencias é um conhecimento extremamente valioso de como funciona a Psiquê Universal. 

Um pequeno exemplo: as vidas de Zeus, Hera, Afrodite, Apolo, Hércules, etc. tem algo em comum com o que estamos vivendo nesta vida. Esses arquétipos viveram situações arquetípicas e aprenderam com isso. Suas vivências e ensinamentos podem nos ser úteis agora e sempre. O objetivo deste projeto é propiciar análises destas situações e arquétipos para melhorar o desempenho do que é vivido atualmente.


Hélio Couto
2017
www.heliocouto.com

Projetos relacionados:

www.arquetiposemacao.com.br
www.mitologiaanalitica.com.br
www.mitologiacriativa.com.br
www.arquetiposesimbolos.com.br

Videos editados I


Ninguém está autorizado a editar meus vídeos e fazer montagens, cortes, adições ou qualquer outra manipulação com as imagens das palestras.

Somente com autorização por escrito alguém pode usar minhas imagens.

Isso já foi dito na palestra passada e já postei sobre isso.

Quem está fazendo isso está prejudicando o trabalho.

Existe uma estratégia de divulgação feita por mim e que está sendo seguida à risca.

Todos os vídeos editados por outras pessoas devem ser tirados de qualquer mídia em que estiverem.

Postagens populares

Marcadores